Paulo Pinheiro Machado
  • O VI Simpósio Nacional: o lugar do Contestado na História do Brasil

    Publicado em 23/10/2020 às 14:06
              Entre 19 e 22 de outubro realizamos, de forma inteiramente remota, o VI Simpósio Nacional: o lugar do Contestado na História do Brasil. Apesar das dificuldades pela distância entre as pessoas, da frieza da plataformas, foi possível se estabelecer o debate de comunicações, palestras e perguntas aos palestrantes, ampliando a participação de diferentes origens geográficas. As comunicações gravadas eram exibidas numa sala especial e depois os grupos, em plataforma de discussão, debatiam os trabalhos, tal como nos congressos habituais. Conseguimos a participação de 7 palestrantes e 40 apresentadores de trabalho, e 5 apresentações de Iniciação Científica, dos estados do RS, SC, PR, RJ, BA, AL, RN, CE e GO. Os estudos sobre o Contestado foram debatidos com pesquisas sobre outros movimentos sócio religiosos, como Canudos, Pau de Colher, Muckers, Santa Dica e Caldeirão.
             O Grupo de Investigação sobre o Movimento do Contestado (coordenado por mim e pelos professores Márcia Espig, Delmir Valentini, Rogério Rosa Rodrigues e Alexandre Assis Tomporoski) agradece ao apoio de todos(as) e o suporte institucional da FAPESC, do CNPQ, e dos Programas de Pós Graduação em História da UFSC, UDESC, UFPEL, UFFS e do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional da UnC (Campus Canoinhas).
    Agradecemos também pelo suporte de informática de Guilherme Silva e dos monitores Emmanuel, Irineu, Michel e João Felipe.
    Os trabalhos e palestras podem ser acessados na conta do youtube do Simpósio:

  • Programação do VI Simpósio Nacional: o lugar do Contestado na História do Brasil, de 19 a 22 de outubro

    Publicado em 15/10/2020 às 17:01

    Tabela da Programação Geral do VI Simpósio:

    Dia\hora Segunda, 19 outubro Terça, 20 outubro
    Manhãs das 9 às 12h Comunicações de trabalhos: Mesa 1 Universo religioso e práticas de Cura no Planalto e Mesa 2 O passado revisitado: historiografia e tradições intelectuais. Comunicações de trabalhos: Mesa 3 Insurgências religiosas e lutas políticas na República e Mesa 4 Conflitos agrários e disputas territoriais.
    Tardes: das 14 às 17h Apresentação dos Banners de bolsistas de Iniciação científica
    Noites: das 19 às 21h 19h – Cerimônia Abertura

    19:30h Conferência de Abertura. Prof. Pedro Lima Vasconcellos (UFAL) “O mundo do Contestado visto desde o Belo Monte de Antônio Conselheiro: entre afinidades e confrontos”

     19h. Conferência Prof. Daniel Luciano Gevehr (FACCAT) “O protagonismo feminino no mes-sianismo no extremo sul do Brasil: uma análise sobre Jacobina Mentz Maurer”
    Dia\hora Quarta, 21 outubro  Quinta, 22 de outubro
    Manhãs

    Das 9 às 12h

    Comunicações de trabalhos: Mesa 5 Contestado e História Pública: conexões com o ensino de história, Mesa 6 Estruturas de poder e repressão e Mesa 7 Quando as imagens falam: artes plásticas e fotografia no Contestado Comunicações de trabalhos:   Mesa 8 A Guerra contínua: conflitos e política no pós-Contestado e Mesa 9 Patrimônio, memória e identidade
    tardes
    Noites

    Das 19 às 21h

    19h. Palestra Prof. Francisco Régis Lopes Ramos (UFC) “A memória do Caldeirão: uma ideia para adiar o fim do mundo.” 19h – Mesa: “O lugar de escuta: o Contestado e o Ensino de História no Brasil” Profs. Arthur Luiz Peixer (Rio das Antas)

    Rosecley Golinski Nogueira (Fraiburgo)

    Hellen Heine Barreto Ferreira (Lebon Régis)

    Mateus Henrique Torcatto (Videira)

    21h. Cerimônia de encerramento

    O Simpósio será totalmente transmitido de forma remota através da plataforma youtube, pelo

    Canal do Contestado: https://www.youtube.com/channel/UC5ajvkFgjySSZMYsbw6L4sg

     


  • Nova Chamada de Trabalhos – VI Simpósio Nacional do Contestado

    Publicado em 12/08/2020 às 22:19

    NOVO CRONOGRAMA

    Em função da pandemia, que resulta na impossibilidade de um evento presencial, o VI Simpósio Nacional “O Lugar do Contestado na História do Brasil” será realizado por videoconferências em modo remoto. Para tanto, reescalonamos os prazos de inscrição e envio de textos e áudios.

    Os resumos já enviados até 31 de julho não precisam realizar nova inscrição, apenas necessitam seguir os prazos finais.

    Cronograma e Inscrições:

    Até dia 4 de setembro de 2020– Inscrição de resumos de comunicações para pós-graduandos, profissionais e banners de graduandos (informando nome completo, co-autoria ou orientação, quando for o caso, Instituição, endereço, RG e CPF) em resumos com até 15 linhas com título e três palavras-chave. Os resumos e dados solicitados deverão ser encaminhados a página do evento:

    https://doity.com.br/visimposionacionalcontestado

    Até dia 15 de setembro de 2020 – Homologação dos trabalhos inscritos e envio de Cartas de Aceite.

    Até dia 10 de outubro de 2020 –  Envio de áudios\vídeos com comunicação completa (instruções detalhadas seguirão com Carta de Aceite.

    Até dia 15 de outubro de 2020 – Envio dos textos completos das comunicações pelos autores com especificações definidas na Carta de Aceite.

    De 19 a 22 de outubro realização do VI Simpósio Nacional sobre o Contestado: o lugar o Contestado na História do Brasil, por videoconferência em plataforma que será informada na Carta de Aceite e divulgada nas redes sociais.

    O Grupo de Investigação sobre o Movimento do Contestado (GIMC, do Diretório dos Grupos de Pesquisa do CNPq) convida pesquisadores(as), professores(as) e estudantes (de graduação e pós-graduação) a participar do VI Simpósio Nacional. O evento tem como finalidade a análise e o debate a respeito de novas fontes e abordagens sobre a vida, a história e os conflitos ligados ao movimento social do Contestado, sob os pontos de vista social, econômico, ambiental, cultural e religioso. Desejamos envolver participantes da área de História e das Ciências Humanas, incluindo os estudos nos campos literários e artísticos. O Simpósio compreenderá o estudo não apenas de episódios ligados à Guerra do Contestado, mas também à vida e tradições das populações do planalto meridional, ao extenso território ligado à tradição do monge João Maria (como nos planaltos do Rio Grande do Sul e do Paraná). No mesmo sentido, o evento estimulará a inscrição de estudos sobre movimentos sócio-religiosos ocorridos no Brasil, como Monges Barbudos, Canudos, Juazeiro, Pau de Colher, Santa Dica, Caldeirão e outros. Entre as abordagens desejadas, além da pesquisa sobre novas fontes e acervos especializados, compreendendo fontes documentais, orais, fotográficas e memorialísticas, uma ênfase será dedicada à reflexão sobre o Contestado no ensino de História e as disputas na Memória Pública. Pesquisas sobre a participação de populações indígenas e negras nestes movimentos deverão ter espaço especial na programação.

    As inscrições se darão nas modalidades de comunicação de texto integral (de 15 a 20 páginas), para profissionais e estudantes de pós-graduação, e a modalidade de apresentação de banners, para estudantes de graduação. As inscrições são gratuitas para todas as categorias de participantes.

    Guerra do Contestado: Adeodato Ramos, o último líder rebelde (entre os dois policiais), é preso, em agosto de 1916.


  • Convite – Banca de Defesa de Memorial para Prof. Titular dia 20 de Julho – 9h

    Publicado em 28/06/2020 às 16:14

    Queridos colegas, amigos e estudantes.

    No dia 20 de julho próximo, as 9h da manhã, acontecerá a banca de defesa pública do meu Memorial de Atividades Acadêmicas com a finalidade de progressão para a classe de Professor Titular. A defesa será por videoconferência. Em dia mais próximo do evento informarei o link de exibição pública. Ficarei muito feliz com o acompanhamento de vocês. A banca será composta pelos Profs. Gustavo Andrés Caponi (UFSC), Hebe Maria da Costa de Mattos Gomes de Castro (UFJF), José Miguel Rasia (UFPR) e Sérgio Dias Cirino (UFMG).  As 14h será a vez da colega Magda Zurba, da Psicologia.

    Para acompanhar ao vivo é só clicar no link abaixo:


  • Covid-19 – Sobre o retorno às aulas – Posição do Conselho de Unidade do CFH-UFSC

    Publicado em 28/04/2020 às 19:31

    Magnifíco Reitor,

    A pandemia da Covid-19 e a necessária suspensão de várias atividades presenciais pelas Instituições de Ensino Superior colocaram-nas frente a desafios de várias ordens, aos quais elas deverão responder com ações de curto, médio e longo prazos. Todas essas ações devem ser pautadas na ciência e no princípio maior de garantia da segurança da vida daqueles que compõem a comunidade acadêmica, bem como daquela outra parcela da população em geral, sempre significativa, que circula diariamente por nossos campi. Nenhuma ação que não se oriente por estes princípios merece sequer ser considerada por nós, em virtude de nossos compromissos com a razão e com os princípios do humanismo e da solidariedade social. As universidades, talvez mais do que qualquer outra instituição, têm por dever pautar suas ações pela racionalidade, pela ciência e pelo compromisso social; afinal, isso constitui nossa essência e missão.
    A UFSC tomou todas as medidas para garantir a vida e a segurança sanitária da sua comunidade acadêmica, mantendo, mesmo assim, parte de suas atividades essenciais, das formas compatíveis com os recursos de que dispomos. No nível administrativo, a UFSC deu continuidade a suas atividades: processos, pareceres, formaturas, limpeza, vigilância, tudo isso que também é essencial ao dia a dia de uma instituição de ensino continuou funcionado, e bem. As tecnologias de informação permitiram que o trabalho continuasse, mesmo a distância, com a qualidade e o compromisso que sempre marcaram as universidades federais.
    De outro lado, o corpo docente continuou com suas atividades de ensino, na forma de orientação de alunos (que não deixaram de ocorrer), de pesquisa e, muitas vezes, também de extensão: os professores continuaram desenvolvendo seus projetos, escrevendo artigos científicos, participando de encontros virtuais dos núcleos de pesquisa, orientando bolsistas e alunos em seus trabalhos de pesquisa e de conclusão de curso, nos diversos níveis de formação. Em resumo: mesmo sob o profundo impacto da pandemia, do perigo iminente de contaminação, da tristeza de cotidianamente ver o país e o mundo submersos em um inimaginável ambiente de mortes em proporções impensáveis, continuamos trabalhando, pois acreditamos que a Ciência e a Educação podem produzir o essencial para fazer a grandeza de uma nação. Além disso, a própria pandemia tem nos levado a outras tarefas que, em momentos de normalidade, passariam desapercebidas, como os esforços diuturnos de acolhimento e garantia de um mínimo de segurança sanitária e alimentar para uma parcela de nossos alunos que hoje se encontram em situação vulnerável. Desde a primeira suspensão das atividades presenciais, lá se vão quarenta dias. No entanto, ao contrário de alguns países da Europa, acometidos por esta epidemia mais cedo, no Brasil os gráficos sinalizam uma linha de contágio ainda ascendente, e é com muita tristeza que diariamente vemos aumentar os números de pessoas mortas pela Covid-19, sobretudo pela escassez de recursos e serviços de assistência. O colapso do sistema de saúde, público e privado, anunciado pelos epidemiologistas e sanitaristas responsáveis, já é realidade em algumas cidades e as notícias mostram que esse será o futuro imediato de grande parte dos municípios brasileiros, especialmente se alguns governantes continuarem a defender, de forma cínica e irresponsável, à margem das orientações da OMS e dos especialistas em saúde pública, o fim irrestrito do isolamento social.
    Em Santa Catarina, o quadro ainda parece menos grave quando comparado a estados como São Paulo, Rio de Janeiro e Amazonas, mas continua muito preocupante, dado que estamos diante de uma epidemia de contágio silencioso, mas rápido, e de ações de prevenção cujos efeitos só mostram seus resultados semanas depois de adotadas. Assim, o que vemos hoje só ilustra as medidas e comportamentos tomados há 15 dias, mas não permite projeções sustentáveis. Muitas vezes, a realidade dessa pandemia só se mostra quando já é tarde demais, e vidas começam a ser perdidas em cadeia de agravamento de sintomas e ausência ou séria restrição no atendimento. No atual momento, o que ainda temos a fazer é evitar o ritmo de contágio, ficar em casa e seguir com rigor as medidas para isolamento social, como única alternativa de controle. Só isso fará o futuro menos dramático para Santa Catarina e para o Brasil.
    No entanto, através da análise de como a epidemia se comporta nos outros países, sabemos que daqui a algum tempo o vento da morte passará, com mais ou menos impacto, a depender das medidas que tomarmos, e iremos enfim poder retornar às nossas atividades. E é aqui que se coloca o verdadeiro desafio do futuro, para o qual o CFH gostaria de contribuir: menos do que o momento do retorno, importam as condições desse necessário retorno; mais do que quando, o que temos que pensar é em como iremos voltar.
    São dois, portanto, os temas que nos concernem nesta retomada das atividades, em ordem de prioridade e importância, já que o segundo não existe sem o primeiro: inicialmente, a garantia de um retorno seguro para a comunidade acadêmica e, em seguida, a garantia de qualidade do ensino.
    Quanto ao primeiro tema, o retorno com segurança, temos claro que toda e qualquer proposta deve, obrigatoriamente, ser formulada por especialistas nas áreas de saúde, infectologia e epidemiologia. Temos visto o caos gerado no mundo quando não-especialistas se arvoram a falar do que desconhecem, do que ignoram, mas se arriscam em palpites infelizes e multiplicam vítimas dessa irresponsabilidade. Assim, é fundamental que as comissões ou comitês da UFSC para gerir esta crise incorporem nossos pares especialistas nas questões da saúde pública. O Centro de Ciências da Saúde é reconhecido internacionalmente e tem, com certeza, profissionais capazes de guiar a Instituição e sua administração nos caminhos que a ciência é capaz de iluminar nesta pandemia. São estes profissionais que devem dizer quando, com segurança e saúde, e com que cuidados iremos voltar. Qual a distância correta entre as pessoas em um mesmo ambiente? Quantas pessoas podem ficar num mesmo ambiente? Quais as exigências sanitárias para que espaços de convivência sejam, eventualmente, reabertos e mantidos em condições seguras? O que a Instituição deve observar para que não se transforme num local de propagação desenfreada do vírus (e da mortalidade a ele associada) na comunidade universitária e em todos aqueles que frequentam a UFSC? Tais respostas só uma comissão formada por especialistas nas áreas de epidemiologia, infectologia e saúde pública podem oferecer de modo responsável. Aos gestores, principalmente quando oriundos de outros áreas de saber, cabe ouvir os colegas e seguir suas orientações. Desta seriedade e deste compromisso com práticas orientadas por conhecimento sólido depende a vida das pessoas com as quais compartilhamos nosso cotidiano.
    Quanto à segunda questão – o compromisso com qualidade de nosso ensino –temos que seguir, da mesma forma, o conhecimento sólido e acumulado por nossos especialistas. Na ânsia para encontrarmos formas de retomar o ensino de qualidade que sempre oferecemos, várias possibilidades vêm sendo aventadas, imaginadas, discutidas ao longo desses mais de 40 dias. São muitas as possibilidades e precisamos ouvir os colegas que têm expertise sobre as alternativas que imaginamos.
    Muito se tem falado sobre a utilização das novas tecnologias no ensino. Antes, entretanto, de qualquer ponderação neste sentido, é preciso firmar alguns princípios que devem orientar qualquer tomada de decisão, qualquer escolha: não podemos transigir com a qualidade, não podemos fazer de conta que estamos de fato ensinando com a utilização de novas tecnologias, cujos efeitos na formação acadêmica-profissional dos nossos estudantes nós verdadeiramente desconhecemos; e, sobretudo, não podemos ignorar que parte importante de nossos estudantes de graduação, mesmo que distribuídos de modo desigual pelos Cursos de Graduação e pelos Centros de Ensinos, vivem com limitadíssimos orçamentos e sem acesso fácil e estável aos recursos computacionais e de rede necessários a certas modalidades de ensino à distância.
    Firmados esses compromissos de manter a qualidade e a seriedade do ensino que oferecemos nas Universidades públicas, e sem desconsiderar a conhecida realidade socioeconômica de nossos alunos, podemos começar a nos perguntar, ou melhor, a fazer as boas perguntas a quem entende do assunto: professores, pedagogos, especialistas em ensino a distância. Quais os mecanismos, dentre os muitos disponíveis para um aprendizado não-presencial, são mais efetivos? Qual a diferença entre a carga de conteúdo possível em cada aula entre ensino a distância e atividades não presenciais? Qualquer professor pode ensinar na primeira modalidade sem qualquer capacitação? Todas as disciplinas são passíveis de serem ofertadas nessa modalidade? Qual a infraestrutura necessária, para alunos e professores? Quais os recursos pedagógicos auxiliares previstos para que se tenha um bom resultado? Em se tratando de atividades não-presenciais, de que tipo seriam? Qual a carga horária total para garantir a boa formação do estudante e o papel do professor nessa formação? Como se afere essa carga horária, levando em conta diferentes ferramentas de aprendizagem (cada qual com uma temporalidade própria)? Que cursos e disciplinas comportam essas modalidades de ensino, e em que medida e proporção, levando em conta o perfil desejado para nossos estudantes e egressos?
    Essas são, a nosso entender, algumas das questões sobre as quais as comissões ou comitês da UFSC para gerir essa crise devem se debruçar, pautados pelo conhecimento dos especialistas em saúde pública e em educação. Após tudo isso, quanto às condições locais e particulares para implementação, devem ser consultados os Centros de Ensino, os Departamentos, as Coordenações de Curso, os servidores técnicos, os professores e as representações estudantis.
    A decisão de quando iremos voltar depende, portanto, da definição, clara e fundamentada na ciência, de como e em que condições poderíamos voltar, considerando até a possibilidade de que a retomada possa vir a ser feita de modo gradual. Neste momento, qualquer afobamento, qualquer pressa, qualquer tentativa de responder a necessidades estranhas aos padrões de qualidade de ensino, pesquisa e extensão pelos quais nos pautamos, pode ser fatal, seja para a vida das pessoas, seja para o credibilidade dessa que é uma grande instituição de ensino superior e deve resguardar seu nome.
    Por sua conhecida história de engajamento social e participação nos momentos cruciais da nossa história institucional e da vida acadêmica na UFSC, o CFH, por meio desta manifestação, construída coletivamente e aprovada por seu Conselho, se coloca mais uma vez à disposição para participar de todos os esforços possíveis, ao mesmo instante que defende, enfática e veementemente, que todas as formulações de projetos para a saída da quarentena e para o fim da suspensão de nossas atividades presenciais sejam, primeiramente, embasadas por pareceres das áreas especializadas e, em seguida, discutidas amplamente com a comunidade acadêmica, em suas diferentes instâncias colegiadas.
    Na esperança de que nossa manifestação seja objeto de vossa compreensão e, compartilhada com as outras instâncias da Administração, possa ser acolhida em sua essência como uma importante contribuição no processo de tomada de decisões sobre nossas ações frente aos efeitos da Pandemia que nos assola, Receba nossos sinceros cumprimentos.
    Cordialmente,

    Profa. Miriam Furtado Hartung

    Diretora do CFH


  • VI Simpósio Nacional: o lugar do Contestado na História do Brasil

    Publicado em 07/02/2020 às 12:16

    Chamada de Trabalhos

    Florianópolis, Campus da UFSC, 19 a 21 de outubro de 2020.

     

    Guerra do Contestado: Adeodato Ramos, o último líder rebelde (entre os dois policiais), é preso, em agosto de 1916.

    O Grupo de Investigação sobre o Movimento do Contestado (GIMC, do Diretório dos Grupos de Pesquisa do CNPq) convida pesquisadores(as), professores(as) e estudantes (de graduação e pós-graduação) a participar do VI Simpósio Nacional. O evento tem como finalidade a análise e o debate a respeito de novas fontes e abordagens sobre a vida, a história e os conflitos ligados ao movimento social do Contestado, sob os pontos de vista social, econômico, ambiental, cultural e religioso. Desejamos envolver participantes da área de História e das Ciências Humanas, incluindo os estudos nos campos literários e artísticos. O Simpósio compreenderá o estudo não apenas de episódios ligados à Guerra do Contestado, mas também à vida e tradições das populações do planalto meridional, ao extenso território ligado à tradição do monge João Maria (como nos planaltos do Rio Grande do Sul e do Paraná). No mesmo sentido, o evento estimulará a inscrição de estudos sobre movimentos sócio-religiosos ocorridos no Brasil, como Monges Barbudos, Canudos, Juazeiro, Pau de Colher, Santa Dica, Caldeirão e outros. Entre as abordagens desejadas, além da pesquisa sobre novas fontes e acervos especializados, compreendendo fontes documentais, orais, fotográficas e memorialísticas, uma ênfase será dedicada à reflexão sobre o Contestado no ensino de História e as disputas na Memória Pública. Pesquisas sobre a participação de populações indígenas e negras nestes movimentos deverão ter espaço especial na programação.

    As inscrições se darão nas modalidades de comunicação de texto integral (de 15 a 20 páginas), para profissionais e estudantes de pós-graduação, e a modalidade de apresentação de banners, para estudantes de graduação. As inscrições são gratuitas para todas as categorias de participantes.

    Cronograma e Inscrições:

    Até dia 31 de julho 2020– Inscrição de resumos de comunicações para pós-graduandos profissionais e banners de graduandos (informando nome completo, co-autoria ou orientação, quando for o caso, Instituição, endereço, RG e CPF) em resumos com até 15 linhas com título e três palavras-chave. Os resumos e dados solicitados deverão ser encaminhados ao e-mail centenariocontestado@gmail.com ;

    Até dia 10 de setembro de 2020 – Homologação dos trabalhos inscritos e envio de Cartas de Aceite.

    Até dia 30 de setembro de 2020 – Envio dos textos completos das comunicações pelos autores ao mesmo e-mail de inscrição.

    De 19 a 21 de outubro realização do VI Simpósio Nacional sobre o Contestado: o lugar o Contestado na História do Brasil no Campus Universitário da Universidade Federal de Santa Catarina, Bairro Trindade, Florianópolis, no Auditório do Bloco E-Anexo do Centro de Filosofia e Ciências Humanas.

    O VI Simpósio Nacional sobre o Contestado conta com apoio da FAPESC\CNPq (Edital n. 4\2019 – PRONEM).


  • Depoimento – Os camponeses: notas sobre rastros, indícios e experiências de pesquisa

    Publicado em 19/01/2020 às 17:31

    (Revista Maracanan, n. 23, jan.-abr. de 2020)

            Inicio este depoimento com uma lembrança pessoal marcante. Quando fui contratado como professor para trabalhar na rede pública do município de Viamão, a poucos quilômetros de Porto Alegre, em 1984, fui submetido a uma maratona para juntar documentos para ser contratado como “funcionário público municipal”. Além de exames médicos, era necessário tirar chapa do pulmão (a abreugrafia, para ver se não era tuberculoso) e assinar um documento comprometendo-se a cumprir as leis e atender ao público com “urbanidade”. Perguntei à secretária de Recursos Humanos o sentido dessa palavra, e ela respondeu secamente, afirmando que o funcionário público não poderia ser um “bicho do mato!”. Fiquei pensando por que as pessoas evitariam ou se envergonhariam de uma “ruralidade”… O objetivo deste texto é o levantamento e a reflexão sobre um conjunto de experiências de vida e de pesquisa. Essas experiências são parte de uma trajetória muito particular, mas acredito que são compartilhadas por muitos historiadores e pesquisadores sociais de minha geração. A ideia de um depoimento pessoal me atraiu para esse tipo de relato, que procura agrupar um conjunto de reflexões, dificuldades e perguntas levantadas ao longo da minha trajetória de estudos e pesquisas sobre o campesinato no Sul do Brasil.

           Circulando por estradas brasileiras nas décadas de 1980 e 1990, tínhamos uma visão recorrente: eram pequenos acampamentos improvisados em barracas construídas com bambus e lonas pretas, localizadas ao longo da faixa de domínio das BRs. Os acampamentos de sem-terras, que começaram a se formar desde o pioneiro ajuntamento de Encruzilhada Natalino, em 1978, no norte do Rio Grande do Sul, multiplicaram-se por todos os estados da Federação. Debaixo de lonas viviam homens, mulheres e crianças com desejo de lutar para recuperar suas terras, recusando-se a rumar para a ilusão urbana que, já sabiam, não significaria melhoria de vida. O Brasil vivia os anos finais da ditadura militar, período de forte transformação no meio rural, quando muitos estudiosos diziam que, após o impacto modernizador das políticas agroexportadoras, com a reversão da população agora majoritariamente urbana, a questão agrária era um fato superado. A pauta deveria ser a extensão da CLT e da sindicalização dos trabalhadores rurais. Essa noção era baseada em um diagnóstico incorreto, imaginando a morte definitiva do campesinato e a completa industrialização da agricultura.

            O planejamento dos economistas da ditadura e o grande capital não combinaram a história com os teimosos camponeses. A redemocratização da sociedade brasileira será movida por forte explosão dos movimentos sociais, muitos destes vindos do campo, com a histórica pauta da reforma agrária e da luta pelo acesso à terra. Grandes momentos da história de nosso país, como a conjuntura que precedeu o golpe de 1964 ou o processo da Assembleia Nacional Constituinte, entre 1987 e 1988, ou o último golpe parlamentar de 2016, tiveram a questão agrária como item central no grande debate político. Quem são os camponeses brasileiros? Essa pergunta pode ser dirigida a diferentes épocas de nossa história, e sempre há dificuldades e problemas conceituais e heurísticos para enfrentar a situação. Se formos pensar em personagens e grupos sociais tratados pela historiografia com as mais diferentes e peculiares situações, encontraremos caboclos, caiçaras, pescadores, colonos, ervateiros, lavradores, caipiras, matutos, tabaréus, quilombolas, índios aldeados, cafuzos etc. As denominações frequentemente são regionais e originam-se em visões desqualificadoras e pejorativas dessas populações, usualmente associando-as à ignorância, às carências e à barbárie. Muitas lutas e resistências foram travadas ao longo de séculos de nossa trajetória para a positivação desses nomes, para o aparecimento de identidades locais que afirmaram essas denominações. Mas o que há de comum entre eles? As diferentes denominações ou identidades citadas representam comunidades de trabalhadores rurais familiares, com diferentes graus de integração à indústria e aos mercados capitalistas. A dificuldade de serem denominados “camponeses” tem problemas de origem conceitual e política. Por muito tempo a literatura especializada das ciências humanas considerou o camponês como um tipo clássico, encontradiço na Europa ocidental, em algumas regiões deste território e em condições históricas muito específicas. O campesinato francês pós-Revolução sempre foi um modelo adotado para esse debate, em confronto com o meio agrário inglês, que chegou à época contemporânea com a erradicação de boa parte desse grupo social, que teve seu acesso à terra inviabilizado pelos enclosures (cercamentos) e por todo o processo estudado por Marx no capítulo XXIV de O capital. A ideia de uma classe relativamente uniforme, trabalhadora e ao mesmo tempo proprietária (existente no meio rural como uma sobrevivência de antiga sociedade, representando uma insuficiência de desenvolvimento do capitalismo e apegada a modos tradicionais de processos de trabalho) já não é mais dominante, nem ajudaria a entender as condições sociais do campesinato. Há que se identificar a incrível capacidade de adaptação das formações camponesas aos mais diferentes processos de modernização capitalista que, por muitas vezes, anunciaram a sua extinção.

           Ao longo do século XX a relevância política e social do campesinato extraeuropeu (particularmente da Rússia, da China, do Vietnã, da África e da América Latina) recolocou em debate a importância desse grupo social e sua capacidade de adaptação e recriação, seu potencial conflitivo em diferentes sociedades, em todos os países do mundo. Os camponeses mexicanos, peruanos, colombianos e bolivianos mostraram, em diferentes momentos, como determinadas experiências e formas de atuação milenares são importantes ainda hoje para a subsistência de suas comunidades. O campesinato africano foi protagonista de importantes lutas anticoloniais nas décadas de 1950 a 1980. As guerras de independência da Argélia, do Quênia, da Angola, do Moçambique e da Guiné foram marcos importantes para a mudança da política mundial e para a derrocada do colonialismo.

           O campesinato brasileiro não é parte distinta desse contexto. Em que pesem suas particularidades históricas, sua heterogeneidade e suas diferentes formações (tanto quanto ocorre em outros países latino-americanos), o campesinato brasileiro possui uma trajetória complexa, pontuada por lutas de resistência, formas de adaptação e estratégias de sobrevivência.

    O campesinato imigrante

    No Sul e no Sudeste do Brasil foi implantado um projeto de colonização baseado na pequena propriedade. A partir da recepção de diferentes levas de imigrantes europeus desde a primeira metade do século XIX, governos do Império e da Primeira República fomentaram a criação de uma camada social de pequenos proprietários nos três estados sulinos, no Espírito Santo e em muitas regiões de São Paulo, do Rio de Janeiro e da zona da mata mineira. Os núcleos coloniais de pequenos proprietários imigrantes respondiam a diferentes demandas do período. Vários ministros e parlamentares do Império defenderam a criação dessa camada social intermediária no intuito de significar um “enxerto” para dar “energia” aos lavradores já existentes, para dinamizar o abastecimento de gêneros ao mercado interno, consolidar a ocupação sobre territórios de fronteira, ajudar na regularização de vias de comunicação, servir de “ponteira” para frentes de expansão agropastoril. Para o Exército e para a Igreja, os imigrantes aumentariam os contingentes para fornecer “recrutáveis” às duas instituições.

           Na segunda metade do século XIX, as regiões já consolidadas de colonização ajudaram na atração da grande corrente imigratória, principalmente proveniente do sul da Europa e do Levante, de italianos, espanhóis e sírio-libaneses. Dificilmente as lavouras de café de São Paulo atrairiam tanta gente para trabalhar no sistema misto de parceria (colonato) se não houvesse um contingente anterior de colonos assentados no Sul do Brasil. Em minha pesquisa de mestrado, sobre a política de colonização do Império, tive acesso a fontes reveladoras para a reconstrução dos passos tomados por indivíduos e famílias e suas estratégias para emigrar e providenciar a instalação no novo território. Além dos documentos produzidos pela administração colonial, como relatórios e correspondências entre diretores de colônias, chefes das Inspetorias Especiais de Terras e Colonização, presidentes de província e ministros da Agricultura, foi possível acessar memórias e cartas de imigrantes recém-chegados para suas famílias, que aguardavam novidades e instruções no antigo continente. Essa documentação revela verdadeiras estratégias familiares de imigração, com alguns filhos jovens adultos seguindo na frente para adquirir as primeiras terras e comunicar à família como deveriam proceder com a viagem, o que deveriam trazer ou deixar para trás. Pelo volume de informações que já circulava na década de 1870, foi possível identificar que essas famílias de agricultores corriam uma espécie de risco calculado. A instalação em outro país, as condições precárias de transporte e de comunicação, os perigos da viagem, tudo era alvo de cartas, conselhos e recomendações detalhadas. Grande número de imigrantes transoceânicos já havia praticado uma espécie de migração temporária, em trabalhos provisórios ou sazonais em regiões mais próximas de seus locais de moradia. Camponeses do norte da Itália faziam essas migrações com frequência para trabalhar em colheitas agrícolas, fábricas e minas no sul da França, no Império AustroHúngaro e em outras regiões europeias. Essas experiências de mobilidade foram importante preparo para a aventura transoceânica. A crise agrária intensificava-se após a unificação italiana, e as condições de subsistência do campesinato ficavam cada vez mais difíceis, intensificando a necessidade de suplementação de renda das famílias com as migrações sazonais. A propaganda dos países que queriam receber imigrantes (o Brasil entre eles) apresentava-se como uma alternativa para essas populações. Ao contrário do que a maioria da historiografia da imigração afirma, os imigrantes não davam um salto no escuro com a emigração transoceânica. Colhiam informações com parentes, vizinhos, imprensa, sacerdotes, apesar de desconfiarem frequentemente dessas fontes. A viagem para o Brasil era uma verdadeira façanha de riscos, burocracia e consumo das poucas poupanças, mas era resultado de cuidadosas e refletidas atitudes. Pelas cartas dos pioneiros que chegavam ao novo continente enviadas às suas famílias no norte da Itália, os imigrantes deveriam chegar a Gênova e a outros portos de embarque nos prazos certos, sem muita antecedência, para se evitarem gastos adicionais de hospedagem e de alimentação.

           Tinham que chegar com documentos de origem de suas municipalidades, principalmente declarações de “nada consta”, para que os passaportes pudessem ser expedidos sem maiores dificuldades. As viagens ao Brasil começaram a ser subsidiadas por empresas contratadas pelo governo, mas não eram algo automático. Os viajantes que conseguiam apresentar-se como “condutores” de outros imigrantes obtinham passagens gratuitas para suas famílias. Quando o Reino da Itália impôs dificuldades e embaraços para a emigração, as cartas instruíam os parentes a procurar agências nos portos franceses, informando sobre os cuidados burocráticos e as indicações logísticas e demais conselhos. Só os imigrantes melhor informados conseguiam usufruir com melhores condições os subsídios que o governo do Império do Brasil contratava com comerciantes para a introdução de colonos no Brasil. O governo do Império sabia dessa comunicação dos imigrantes com seus familiares e, apesar de todas as precariedades do serviço de assentamento de colonos, a frequência mensal do correio era religiosamente mantida.

           O volume e as condições das bagagens eram alvo de muito cuidado e de precisas recomendações. Deveriam trazer ao Brasil todas as ferramentas disponíveis, todo o trem de cozinha e ferramentas agrícolas e de marcenaria ou outros ofícios. Mudas de videiras chegariam bem se fossem acondicionadas em latões; tecidos dos mais diferentes tipos, além de máquinas de costura, seriam bem-vindos para a nova vida. Casulos de bicho-da-seda e mudas de amoreiras deveriam ser acondicionados em caixas de madeira com frestas para ventilação. Os conselhos e as indicações eram dirigidos à reconstrução de suas vidas na nova terra como agricultores e como praticantes de indústrias domésticas. Os relatos também informam sobre a presença de caboclos e indígenas, assim como o aprendizado do trato com o solo, que deveria ser muito diferente do praticado na Europa. Houve uma verdadeira transformação cultural nos imigrantes recém-chegados. O conhecimento do novo bioma foi um laço de integração significativo com o campesinato nacional. As necessidades de sobrevivência nas novas terras obrigavam esses indivíduos e grupos familiares a aprender as práticas locais de derrubada das matas, queima das árvores e instalação das primeiras roças entre os troncos ainda calcinados que jaziam no chão. O momento correto do plantio de produtos novos, como mandioca, cana-de-açúcar, banana, feijões, abóboras e demais culturas locais deveriam ser aprendidas, e com certa urgência, já que deveriam providenciar os tratos para uma primeira safra. O aprendizado das espécies animais a serem caçadas e dos peixes disponíveis à captura era parte do cabedal recebido pelos imigrantes graças aos ensinamentos de “um caboclo velho”, um “índio largado”, um “negro forro”, personagens nacionais que estavam presentes desde a condução dos colonos dos portos aos lotes coloniais, que trabalhavam como tropeiros, caixeiros, auxiliares de topógrafos, soldados e funcionários de diretores de colônias. Geralmente os colonos instalavam-se em casinhas provisórias, feitas de pau-a-pique e cobertas por folhas de palmeiras, no clássico estilo caboclo, levando algumas décadas para construir suas sólidas casas de pedra e madeira serrada.

           Logo na chegada os colonos já vislumbravam a compra futura de novos lotes coloniais. A necessidade de garantir a terra aos herdeiros (sempre muito numerosos, tornando inviável a partilha do solo para além de uma determinada escala) os impulsionava à expansão territorial, a uma mobilidade geracional. Apesar de todas as precariedades dos serviços de colonização, esse processo de assentamento de agricultores foi significativamente bem-sucedido, ajudando a consolidar a formação de uma camada de pequenos produtores familiares. A formalização da propriedade fundiária, apesar de ser facilitada pelo Império, com a colocação de preços muito baixos nos lotes, foi um processo lento e não resolvido pelas primeiras gerações de imigrantes. A dívida colonial, proveniente da soma do preço do lote colonial somado aos auxílios previstos de instalação e subsistência dos colonos até a primeira safra, dificilmente era paga. As famílias de agricultores assentados viviam em um regime em que até conseguiam certa fartura em alimentos, mas dificilmente logravam comercializar a preços razoáveis os seus poucos excedentes agrícolas. As dificuldades de transporte, que encareciam os fretes desses artigos, diminuíam a integração aos mercados, até de cidades mais próximas. Por décadas viveram num prolongado regime de pobreza monetária associada a relativo bem-estar na subsistência. Os títulos provisórios emitidos pelo Império dificilmente eram convertidos em escrituras definitivas, pois antes de saldar suas dívidas era comum que os colonos partilhassem ou transmitissem por herança os seus imóveis, isso quando não eram vendidos em “contratos de gaveta” informais para outros colonos.

           De qualquer maneira, o objetivo maior do Império, de assentamento dessas populações, já tinha sido alcançado. A renúncia tácita pela cobrança da dívida colonial é algo pouco lembrado pela historiografia da imigração — sempre preocupada com a busca de realce de certo “heroísmo” e, ao mesmo tempo, de vitimização desses personagens. A historiografia da imigração é muito frequentemente “etnocêntrica”, laudatória e exagerada. Desconsidera os eventos decisivos de trocas culturais e aprendizado nas novas terras oferecidos por camponeses nacionais.

    Os camponeses do Contestado

           Em minha pesquisa de doutorado, parti para a busca de personagens de mais difícil localização, não por sua pequena participação no contingente demográfico, mas por se tratar de uma população que viveu, e em muitos casos ainda vive, com maior distanciamento dos escrutínios dos órgãos do Estado. As fontes e os registros oficiais são modestos sobre os sertanejos, os elementos nacionais pobres, indígenas, quilombolas, caboclos, que sobrevivem em todo o interior do país. O planalto meridional brasileiro, formação geográfica que compreende o território entre o norte do Rio Grande do Sul e o interior de São Paulo, sofreu diferentes ondas de despovoamento e repovoamento nos últimos quatrocentos anos. As atividades de captura das expedições de bandeirantes paulistas foram responsáveis pela escravização de mais de trezentos mil indígenas no século XVII. Os povos das reduções jesuíticas de Guairá (atual Paraná) e do Tape (atual Rio Grande do Sul) foram liquidados. No século XVIII, a aniquilação aconteceu com o ataque conjunto de portugueses e espanhóis aos Sete Povos das Missões.

           O despovoamento nunca se completou. A população indígena remanescente voltou a crescer e a dominar os territórios que antes tinham sido palmilhados pelos paulistas. Núcleos guaranis eram presentes ao longo dos grandes rios, Uruguai e Iguaçu. Os botocudos (atuais xoclengues) tinham domínio nas matas e subidas de serras. Os coroados (atuais kaingangues) mantinham forte presença nos campos de cima da serra. Entre as últimas décadas do século XVIII e as duas primeiras do XIX, o principal núcleo coroado da capitania de São Paulo, kong-bang erê, derrotou dez expedições de paulistas. O local foi agregado aos portugueses apenas em 1810, quando uma facção de coroados foi atraída pelos colonizadores para formar o aldeamento de Guarapuava (nome dado pelos paulistas). Nas décadas seguintes, núcleos de coroados foram atraídos e aldeados, num regime ainda muito instável, nas regiões de Palmas, Chapecó, Guarita e Passo Fundo, formando uma constelação de aldeamentos militarizados pelos colonizadores. Os estudos mais recentes de história indígena demonstram um grande grau de convivência de aldeamentos, toldos e demais comunidades indígenas com colonizadores, fazendeiros e tropeiros.

           O território do planalto meridional teve sua colonização mais estabilizada a partir das diferentes rotas dos caminhos das tropas, formado pela atividade dos tropeiros paulistas e riograndenses, que conduziam cavalos e muares da Bacia Platina para a feira anual de Sorocaba. Era uma movimentação que dependia do início da primavera nos campos de cima da serra, onde as pastagens rebrotavam e davam sustentação ao gado que era conduzido para São Paulo, entre setembro e março. As rotas mais antigas desse caminho já tinham dado oportunidade para a formação de uma longa rede de fazendas, vilas, pequenos povoados e pousos de tropeiros, como Cruz Alta, Vacaria, Lages, Curitibanos, Rio Negro, Lapa, Palmeira e Itapetininga. A partir de 1840, uma nova rota, mais a oeste, chamada de “Caminho das Missões”, bem mais próxima da fronteira com os vizinhos platinos, partia da região dos Sete Povos das Missões, atravessava o rio Uruguai no passo do Goio-Ên, seguia para Palmas e Guarapuava, para depois rumar ao antigo traçado na região dos Campos Gerais do Paraná. A vantagem do novo Caminho das Missões era o encurtamento de prazo de viagem que de três passou à média de dois meses. Essas atividades mercantis intensificaram a integração com a Bacia Platina, tanto pelo comércio legal quanto pelo contrabando, potencializando a mobilidade territorial de muitos contingentes populacionais. Apesar da escassez de fontes diretas, os sertanejos nacionais aparecem em processos judiciais, em relatórios de viajantes, em correspondência e documentos militares.

           Nos processos de regularização fundiária promovidos por fazendeiros, eles normalmente aparecem como agregados, peões e “intrusos”, quando não são bem-vindos. Ao longo dos caminhos das tropas, além das fazendas de criação (normalmente formadas por grandes propriedades nos campos nativos, locais mais valorizados do planalto), os agricultores pobres, de origem indígena, africana e mestiça, arroteavam terrenos e construíam suas roças dentro de matas e faxinais, locais desprezados pela pecuária. No entanto, essa ação de posseiro “criava campos”, espaços que eram agregados às grandes fazendas. São recorrentes, nessa região, vários processos de regularização de posses de criadores que apresentam os agricultores às margens de suas propriedades como seus agregados, e não como posseiros independentes. Na vida cotidiana esses conflitos ocorriam quando o gado dos criadores invadia as roças dos pobres, principalmente no inverno, quando as pastagens naturais eram queimadas pela geada. Era uma expansão quase por inércia, já que não existiam cercas, e somente os agricultores mais previdentes e com melhores recursos é que tinham condições de construir muros de taipa para defender suas roças do assédio do gado solto. Mesmo assim, o processo de concentração fundiária não era generalizado. A situação de fronteira agropastoril conviveu com a persistência de núcleos de pequenos lavradores em comunidades interioranas, garantindo a existência histórica de um campesinato nacional, mesmo nas regiões conhecidas tipicamente como de pecuária, tal o caso dos municípios de Lages, Campos Novos e Curitibanos. Alguns estudos recentes comprovam que pobres, analfabetos e libertos conseguiam inclusive regularizar oficialmente suas posses. Entre esses lavradores do planalto foi possível identificar formas sazonais de mobilidade geográfica. O trabalho esporádico como tropeiros na primavera e no verão era pontuado por longos deslocamentos para outras províncias ou para o litoral serra abaixo. Isso significava uma ampliação significativa das experiências e contatos culturais, sociais e políticos desses trabalhadores. O campesinato do planalto tinha familiaridade com temas platinos, da mesma maneira que acompanhava conflitos e transformações em outras partes do Brasil. No inverno era época de seguir para os ervais nativos e providenciar um rendimento suplementar para suas famílias por meio da colheita e do beneficiamento das folhas de ílex. Suas pequenas criações de porcos podiam ser mantidas a distância, sem a necessidade da vigilância constante de seus pequenos criadores, com os suínos mantidos em encerras dentro da mata de araucária, sendo os animais engordados com a queda de grossas pinhas. Duas experiências culturais foram muito marcantes para essas populações: o recrutamento militar forçado e a convivência e miscigenação com imigrantes. Tais experiências não ocorreram em apenas alguns momentos específicos. Foram resultado de processos de longo curso no tempo e em praticamente todo o território do planalto.

           O século XIX foi extremamente conflituoso no planalto meridional. O envolvimento dessa região direta ou indiretamente com os conflitos no Prata, além de grandes convulsões internas, fez com que o recrutamento militar forçado fosse rotineiro em todas as décadas desse século. Não houve família que não tivesse que lamentar a perda de um pai, filho ou irmão para o serviço no Exército, na Marinha ou em forças auxiliares como os Regimentos de Ordenanças e depois a Guarda Nacional. O recrutamento para o Exército e a Marinha implicava num período de serviço militar por, no mínimo, quinze anos de duração, sujeito a trabalhos forçados, deslocamentos para províncias distantes e uma disciplina baseada em castigos corporais, como um segundo cativeiro. O planalto forneceu soldados nas campanhas contra os espanhóis no Prata ao longo do século XVIII, para as campanhas de ocupação da Cisplatina (1811 e 1816) e na Guerra Cisplatina (1825-28); foi convulsionado em vários momentos durante o movimento farroupilha (1835-45); participou com homens para a Campanha do Prata e deposição dos governos de Manuel Oribe e Rosas (1851-52); e participou intensamente no envio de Voluntários da Pátria para a Guerra da Tríplice Aliança (1865-70). Ao final do século a experiência devastadora processou-se com a Guerra Federalista (1893- 95), bem mais violenta que as campanhas anteriores, devido à intensificação dos combates, deslocamentos e o recrutamento forçado, praticados pelos dois lados da contenda.

           Zélia Lemos, historiadora de Curitibanos, informa que a Revolução Federalista ensinou dois vícios perniciosos aos sertanejos do planalto: a degola e o arrebanhamento do gado alheio. Embora a historiadora queira com isso desqualificar os camponeses, apresentando-os como bárbaros jagunços, sua informação não é incorreta e precisa ser avaliada no âmbito do conjunto das experiências dessas populações. Os peões, lavradores, ervateiros e tropeiros recrutados por chimangos ou maragatos durante a Guerra Federalista aperfeiçoaram suas experiências militares, aprenderam a atacar e recuar, a se esconder de inimigos, a sabotar pontes e linhas de telégrafo, a enviar chasques estafetas para chamar aliados e “bombeiros” para espionar o inimigo. Era necessário aprender a sobreviver às condições adversas de cerco de cidades e rápidos deslocamentos de cavalaria. O conhecimento e manejo de carabinas, a execução de prisioneiros, os fuzilamentos, as degolas e castrações foram práticas que já existiam no passado, mas se intensificaram brutalmente na Guerra Federalista. Os que imaginam que a sociedade brasileira nunca viveu explosões de ódio não leram cronistas e relatos dessa guerra. Ninguém passa impune por esses eventos. As famílias de lavradores aprenderam a esconder o que poderia ser “requisitado” pelas tropas oficiais ou rebeldes de passagem: o gado, as mulheres e os jovens recrutáveis. Muitas vezes se escondiam no mato ou em ranchinhos distantes de sua casa, deixando um velho para oferecer umas galinhas, um porco ou algum alimento aos passantes. Outras vezes, procuravam mudar de cidade e região, rumar para uma localidade onde um parente ou compadre poderia hospedá-los e empregá-los enquanto durasse a refrega. Mas quando havia o recrutamento, a experiência desses indivíduos marcava suas vidas. Nunca mais seriam modestos lavradores. Esse fenômeno da experiência militar do campesinato foi estudado em muitas partes do mundo. Na origem de muitos levantes camponeses está a participação passada em Exércitos. Tudo isso precisa ser considerado para compreender que os sertanejos envolvidos no movimento do Contestado não eram “páginas em branco”. Traziam experiências, conhecimentos e hábitos de combate. As relações entre as populações de origem europeia e cabocla, com muita frequência, são conflitivas.

           À primeira vista, quem visita muitos municípios do planalto meridional nota o contraste entre os descendentes de alemães, italianos e poloneses, sempre melhor estabelecidos economicamente, dominando a visibilidade pública desses municípios, ocupando a maioria dos cargos públicos de poder local e de prestígio social. São donos de lojas, fábricas, fazendas e estabelecimentos de serviços. No entanto, esse verdadeiro apartheid social que se criou em muitas partes é recente e, por muitos depoimentos e fontes, pode ser atribuído às últimas levas de descendentes de imigrantes (de segunda e terceira gerações), que vieram das antigas colônias do Rio Grande do Sul e, nas décadas de 1930 a 1950, chegaram em grande número às regiões oeste de Santa Catarina e do Paraná. Nesses territórios já viviam outros descendentes de imigrantes, que vieram de levas mais antigas, ao longo do século XIX, desde a antiga colônia alemã de Rio Negro (1829) até as várias colônias de poloneses, ucranianos e russos das décadas de 1880 e 1890. Essas levas iniciais de imigrantes passaram por um processo de integração, e até miscigenação, muito mais intensa com a população nacional. Os agentes consulares europeus e as autoridades governamentais brasileiras viam esse fenômeno como algo negativo, como se os imigrantes estivessem se “acaboclando”, no sentido mais pejorativo, significando uma espécie de rebaixamento social ou regresso civilizatório. No entanto, essas populações estavam integrando-se ao país e à sua população, ajudando a criar uma nova nacionalidade, aprendendo a tomar chimarrão com os caboclos, a participar de seu mesmo universo político (e ao mesmo destino dramático das guerras), adotando as práticas religiosas locais, fundidas às suas tradições, praticando benzeduras, rezando e acompanhando as prédicas dos monges e profetas do planalto.

    O campesinato que nos recebe

           Buscando depoimentos e entrevistas com sobreviventes das “cidades santas” do Contestado (muitos que eram crianças e jovens durante o conflito ainda eram vivos no final da década de 1990), tive o prazer e a satisfação de ser recebido em casa por duas dezenas de depoentes. Eram senhores e senhoras que ainda moravam no meio rural ou viviam na periferia de pequenas cidades do planalto. Nunca fui recebido com hostilidade ou desconfiança por essas pessoas. Sempre, insisto, sempre me ofereceram um café, um chimarrão, um chá ou um martelinho de cachaça como demonstração de afeto, hospitalidade e gentileza. Eu era apenas um estranho que estavam conhecendo naquele momento. Eu não trazia qualquer benefício, bolsa, vantagem ou serviço. Ia para entrevistá-los sobre assuntos delicados, frequentemente violentos e dolorosos, que envolviam as trajetórias de suas famílias. Era gente de coragem que depunha sobre situações dramáticas, sobre maus-tratos, fuzilamentos, degolas, fome e epidemias. Muitos anos depois da pesquisa do doutorado, escutei novamente os áudios de cada uma das entrevistas que realizei. Emocionei-me com a sensibilidade e sinceridade dos relatos, reparei nas diferentes experiências de homens e mulheres com a guerra, ou pelo menos das diferentes percepções das experiências. Tentei me colocar no lugar deles, de viver numa região onde o vizinho em frente é descendente de alguém que matou metade de sua família.  Pensei no longo período de sofrimento e do estigma que carregaram de filhos e parentes de “jagunços” e “fanáticos”. Entendi o silêncio de muitos anos, pelo menos por parte dos remanescentes das “cidades santas”. Fiquei feliz por aprender com eles e em saber que nosso povo, mesmo os mais pobres e expropriados, são gente de muito valor, que continua encarando a vida com carinho e diversão. Conhecendo suas falas e parte de suas vidas, aprendi a entender como os camponeses resistem. Não é apenas em rebeliões, levantes e revoluções. Na maior parte das vezes, resistem apenas sobrevivendo, fugindo para novas terras, plantando novas roças, criando pequenos animais, participando de mutirões, ajudando um vizinho, aprendendo um novo ofício, abrigando um parente e vendo o mundo de uma forma muito peculiar. A gentileza como me receberam fez recordar a experiência de Viamão: gente do mato tem muita “urbanidade” também!

    Paulo Pinheiro Machado, Departamento de História, UFSC

    Original em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/maracanan/article/view/47135/32011


  • Disciplina para o semestre 2020/1 – Tópico Especial Guerra Sertaneja do Contestado

    Publicado em 11/12/2019 às 18:35

    Código: HST 5878     Semestre:  2020\1     Horários: 418304

    Nome da disciplina:  Tópico Especial – A Guerra Sertaneja do Contestado

    Carga horária: 72h.   Pré-Requisitos: Não há.

    Ementa: A disciplina trata das origens sociais, culturais e econômicas da Guerra do Contestado no contexto do Brasil Republicano, bem como do estudo do projeto rebelde das “Cidades Santas” e seus desdobramentos na memória e na historiografia.

    Conteúdo Programático:

    1. A ocupação do Planalto Meridional, as populações indígenas e o tropeirismo;
    2. A tradição de São João Maria e concentrações anteriores à Guerra;
    3. A pecuária e a ocupação agrícola do planalto: populações negras e caboclas;
    4. A República e a Guerra Federalista;
    5. O Coronelismo no planalto meridional;
    6. A questão de limites entre Santa Catarina e Paraná;
    7. A Estrada de Ferro São Paulo – Rio Grande e seus impactos;
    8. De Irani ao segundo Taquaruçu: a formação do projeto caboclo;
    9. As fases do conflito e a evolução do projeto sertanejo;
    10. Movimentos Joaninos posteriores à Guerra do Contestado;
    11. A historiografia do Contestado;
    12. A filmografia do Contestado;
    13. O Contestado em confronto com outros movimentos sócio-religiosos.

    Bibliografia mínima:

    AURAS, Marli. Guerra do Contestado: a organização da Irmandade Cabocla. Florianópolis: Ed. UFSC, 1983.

    CABRAL, Oswaldo Rodrigues. A Campanha do Contestado. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1960.

    ESPIG, Márcia Janete. Personagens do Contestado: os turmeiros da EFSPRG. Pelotas: Ed. UFPEL, 2012.

    KARSBURG, Alexandre Oliveira. O Eremita das Américas. Santa Maria: Ed. UFSM, 2013.

    MACHADO, Paulo Pinheiro. Lideranças do Contestado: a formação e a atuação das chefias caboclas. Campinas: Ed. UNICAMP, 2004.

    MONTEIRO, Duglas Teixeira. Os Errantes do Novo Século. São Paulo: Ed. Duas Cidades, 1974.

    PEIXOTO, Demerval. A Campanha do Contestado: episódios e impressões. 2ª ed. Curitiba: Farol do Saber, 1995.

    THOMÉ, Nilson. Trem de ferro: história da ferrovia no Contestado. Florianópolis: Lunardelli, 1983.

    VALENTINI, Delmir José. Memórias da Lumber e da Guerra do Contestado. Porto Alegre/Chapecó: Ed. Letra&Vida/Ed UFFS. 2015.

    VINHAS DE QUEIROZ, Maurício. Messianismo e conflito social: a Guerra Sertaneja do Contestado (1912-1916). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966.

    Bibliografia Complementar:

    CAVALCANTI, Walter Tenório. Guerra do Contestado: verdade histórica. 2ª ed. Florianópolis: Ed. UFSC. 1995.

    CARVALHO, Fernando Setembrino de (General). Relatório apresentado ao General José Caetano de Faria, Ministro da Guerra, pelo Comandante das Forças em operações de Guerra no Contestado. Rio de janeiro: Imprensa Militar, 1915.

    CERQUEIRA, Alves. A Jornada de Taquaruçu (feito guerreiro). Contribuição ao estudo da História Militar do Brasil. Rio de Janeiro. 1936.

    COSTA, Licurgo. O Continente das Lagens: sua história e influência no sertão da terra firme. Florianópolis: Ed. FCC, 1982.

    _________ .  Um cambalacho político: a verdade sobre o “Acordo” de limites Paraná – Santa Catarina. Florianópolis: Lunardelli, 1987.

    ESPIG, Márcia Janete. A presença da Gesta Carolíngia no movimento do Contestado. Canoas: Ed. ULBRA, 2004.

    ESPIG, Márcia J. e MACHADO, Paulo Pinheiro (orgs.) A Guerra Santa revisitada: novos estudos sobre o movimento do Contestado. Florianópolis: Ed. UFSC, 2008.

    D’ASSUMPÇÃO, José Herculano Teixeira. A Campanha do Contestado. Belo Horizonte: Imprensa Oficial do Estado. 1917.

    FACHEL, José Fraga. Monge João Maria: recusa dos excluídos. Florianópolis/Porto Alegre: Ed. UFSC/Ed. UFRGS, 1995.

    FELIPE, Euclides José. O último jagunço. Curitibanos: Ed.UnC. 1995.

    GALLO, Ivone Cecília D’Avila. O Contestado: o sonho do milênio igualitário. Campinas: Ed. UNICAMP, 1999.

    LANTERNARI, Vittorio. As religiões dos oprimidos: Um estudo dos Modernos cultos Messiânicos. São Paulo: Ed. Perspectiva, 1974.

    LEMOS, Alfredo de Oliveira. A História dos Fanáticos de Santa Catarina e parte da minha vida naqueles tempos: 1913-1916. Passo Fundo: Gráfica e Editora Pe Berthier, 1989.

    LEMOS, Zélia. Curitibanos na História do Contestado. Curitibanos: Imprensa Frei Rogério. 1982.

    LIMA, Soeli R.; TOMPOROSKI, Alexandre A. (orgs.) Ecos do Contestado: Da serraria Lumber ao Campo de Instrução Marechal Hermes CIMH. Palmas-PR: Gráfica e Editora Kaygangue. 2017.

    LUZ, Aujor Ávila da . Os fanáticos: crimes e aberrações da religiosidade de nossos caboclos. 2ª ed. Florianópolis: Ed. da UFSC, 1999.

    MACHADO, Paulo Pinheiro. “O conflito do Canudinho de Lages” In Revista de Sociologia. São Paulo. Vol 13, n. 24, 2008.

    MAFRA, Manoel da Silva. Exposição histórico-jurídica, por parte de Santa Catarina. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1899.

    MARTINS, Romário José. Limites Inter-Estaduais entre Paraná e Santa Catarina: breves explicações do mapa histórico anexo. Rio de Janeiro: Gomes e Irmãos. 1910.

    MUCHALOVSKI, Eloi Giovane. Fagulhas do Contestado: os conflitos nos vales do Timbó e Paciência através da imprensa. São Paulo: Liber Ars, 2018.

    PRIORI, Ângelo e GRUNER, Clóvis (orgs.) Contestado: 100 anos de uma Guerra sem fim. Movimentos e conflitos sociais no Sul do Brasil. Curitiba: ANPUH-PR, 2016.

    QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. Messianismo no Brasil e no Mundo. São Paulo: Alfa-ômega, 1976.

    RODRIGUES, Rogério Rosa. Veredas de um Grande Sertão: a Guerra do Contestado e a modernização do Exército Brasileiro. Tese de Doutorado em História. UFRJ. Rio de Janeiro, 2008.

    SILVA, Cleto da. Acordo Paraná-Santa Catarina ou o Contestado diante das carabinas. Curitiba: Papelaria Globo, 1920.

    SOARES, José Octaviano Pinto. Guerra em sertões brasileiros. Rio de Janeiro: Papelaria Velho, 1931.

    STULZER, Aurélio (Frei). A Guerra dos Fanáticos (1912-1916): a contribuição dos Franciscanos. Petrópolis: Ed. Vozes, 1982.

    THOMÉ, Nilson. Os Iluminados: personagens e manifestações místicas do Contestado. Florianópolis: Ed. Insular, 1999.

    VALENTINI, Delmir J.; ESPIG, Márcia J.; MACHADO, P.P. (orgs.) Nem fanáticos, nem jagunços: reflexões sobre o Contestado (1912-2012). Pelotas: Ed. UFPEL, 2012.

    VALENTINI, Delmir J.: RODRIGUES, Rogério Rosa.(orgs.) Contestado: Fronteiras, colonização e conflitos (1912-2014). Porto Alegre\Chapecó: Letra e Vida\Ed UFFS, 2015.

    WELTER, Tânia. Encantado no meio do povo. A presença do Profeta São João Maria em Santa Catarina. São Bonifácio-SC: Instituto Egon Schaden, 2018.


  • Lançamento de CD e debate: Memórias e Raízes do Contestado

    Publicado em 02/12/2019 às 21:22


  • Em defesa da Memória, da Justiça e da Cidadania das populações do Contestado

    Publicado em 21/11/2019 às 1:15

    O Grupo de Investigação sobre o Movimento do Contestado, do Diretório dos Grupos de Pesquisa do CNPQ, certificado desde janeiro de 2011, integrado por pesquisadoras(es) de 8 Universidades do Sul do Brasil,  vem a público manifestar sua enfática discordância com a decisão proferida no dia 04 de julho de 2019 pela Instância de Governança Regional do Vale do Contestado que, de maneira isolada de seus Municípios, entidades educacionais, Universidades, órgãos legislativos e Instituições de Memória da região, em reunião esvaziada, decidiu por mudar o nome da região turística para Vale dos Imigrantes.

            A decisão, que foi justificada em ata como melhor maneira de ”se ver” e de “se vender” a região como roteiro turístico, é absolutamente equivocada por razões econômicas, políticas, sociais e históricas.

            Em primeiro lugar é importante se identificar que o nome “Vale do Contestado” é muito mais do que uma demarcação “turística”. Trata-se de uma identidade regional construída em memória ao conflito ocorrido entre 1912 e 1916 neste território que viveu um importante episódio da História Brasileira e Catarinense, com o sacrifício de milhares de homens, mulheres e crianças, principalmente das populações mais pobres e desassistidas deste território: índios, negros, caboclos e imigrantes pobres. A luta por terra, liberdade e dignidade, animada na tradição do monge João Maria, ocupou amplos territórios do meio-oeste e planalto norte, central e sul de Santa Catarina, onde mais de 10 “cidades Santas” se formaram, para construir uma vida com justiça e dignidade. Além de reagir contra a arrogância de Coronéis, empresa madeireira, a multinacional ferroviária e chefes políticos autoritários, os sertanejos procuraram construir uma nova vida. O movimento teve seguimento em outras regiões do sul do Brasil (como o movimento dos indígenas de Pitanga, em 1923 ou o movimento dos Monges Barbudos em Soledade, Rio Grande do Sul, em 1935). A partir dos anos 1980, com o processo de redemocratização da sociedade brasileira, o nome Contestado deixou o silenciamento forçado e passou a homenagear as pessoas que deram suas vidas por um mundo melhor.

            Em segundo lugar, se o objetivo é criar uma marca turística regional, nada mais falso do que negar a História local e buscar uma identidade forçada, que exclui setores significativos da população local. Os imigrantes também participaram das “Cidades Santas” no movimento do Contestado, sendo que muitos descendentes de alemães, italianos e poloneses adotaram modos de vida e crenças dos caboclos da região. O primeiro monge João Maria (Giovani Maria Agostini) era um italiano do Piemonte. Portanto, a marca do Contestado, além de possuir uma História local, é inclusiva agregando diferentes grupos étnicos. A oposição ao nome do Contestado parece nascer de um preconceito contra as populações rurais tradicionais mais pobres e a adoção de um modelo europeizado apaga a diversidade existente no território. A opção pelo “Vale dos Imigrantes” é economicamente ineficaz, pois se trata de vender o que não é representativo e de se desvalorizar o que se possui.

            Desta maneira, como amigos e amigas da população do Contestado, profundamente motivados por compromissos de pesquisa e trabalho que envolvem responsabilidade, respeito e cuidado com as populações que estudamos e acompanhamos há muitos anos, nos somamos a outras Instituições, colegas pesquisadores e entidades da sociedade civil, particularmente ao Fórum de Defesa da Civilização e da Cultura Cabocla e exortamos os órgão públicos de Memória Municipais, Estaduais e Federais, a Assembleia Legislativa de Santa Catarina, o Governo do Estado, a Fundação Catarinense de Cultura e o Instituto do Patrimônio Histórico da União, o Ministério Público Estadual, o Tribunal de Justiça de Santa Catarina e, nas palavras do monge João Maria, todos os que “são a favor da Justiça e dos que sofrem”, que seja anulada a decisão de denominação da região e que retorne o nome de “Vale do Contestado” a esta bela e acolhedora região.

                      Florianópolis, novembro de 2019.

    Assinam entidades e indivíduos:

    *Grupo de Investigação sobre o Movimento do Contestado – CNPq

    *Associação Nacional de História, ANPUH, Núcleo Santa Catarina

    *Observatório da Região e da Guerra do Contestado – UEL

    *Lab. de Geograf., Território, M. Ambiente e Conflito – GEOTMAC – UEL

    *Associação Paulo Freire de Educação e Cultura Popular – APEFEC

    *Biblioteca Comunitária Alisson Zonta, Fraiburgo;

    *Conselho de Entidades dos Bairros Nsa. Sra. Aparecida e São Miguel, Fraiburgo;

    *Escola de Educação e Organização Popular do Contestado;

    *Fórum Regional em Defesa da Civilização e Cultura Cabocla;

    *Pastoral da Juventude Rural – PJR-SC.

    *Pastoral da Juventude do Meio Popular, PJMP-SC.

    *Associação Cultural Coração do Contestado – Trombudo do Contestado (Lebon Régis).

    *Associação Cabocla Filhos do Contestado – Timbó Grande

    *Associação dos Amigos do Museu Hist. e Antrop. do Contestado, Caçador.

    *Ação Social do Contestado – Trombudo do Contestado (Lebon Régis).

    *Laboratório de Imagem e Som – UDESC

    *Laboratório de Relações de Gênero e Família – UDESC

    *Laboratório de Estudos Pós-Coloniais e Decoloniais – UDESC

    *Laboratório de Patrimônio Cultural – UDESC

    *SINTESPE-SC (Sindicato Trabalhadores Serviço Público Estadual)

    *Laboratório de História Social da Cultura e do Trabalho – UFSC

    *Companhia Mútua de Teatro de Animação, Itajaí.

    *SINTE (Sindic. Trabalhadores Educação do Estado)-Chapecó

    *IMDH – Instituto de Memória e Direitos Humanos – UFSC

    *Grupo de Estudos e Pesquisas em Patrimônio Cultural, São José dos Pinhais, PR.

    *Coletivo Memória, Justiça e Verdade – SC

    *Laboratório de Imigração, Migração e História Ambiental – UFSC

    *ANDES-UFSC Seção Sindical do ANDES-Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior.

    Prof. Paulo Pinheiro Machado – Depto. de História – UFSC

    Profa. Márcia Janete Espig – Depto. de História – UFPEL , Pelotas.

    Prof. Rogério Rosa Rodrigues – Depto. de História – UDESC

    Prof. Delmir José Valentini – Depto. de História – UFFS, Chapecó

    Prof. Alexandre Assis Tomporoski – UnC, Canoinhas.

    Prof. Flávio Braune Wiik- Depto. de C. Sociais – Un. Est. Londrina.

    Prof. Nilson César Fraga – Geografia – Un. Est. de Londrina.

    Deputada Luciane Carminatti, Pres. Comissão de Educação, Cultura e Desporto da ALESC.

    Prof. Jilson Souza, Educador e Comunicador popular, Fraiburgo

    Museóloga Letissia Crestani, Museu do Contestado, Caçador.

    Profa. Cristina Dallanora – Doutora em História – UFSC

    Profa. Viviani Poyer – Universidade Federal Fluminense \ FAPERJ

    Profa. Tânia Welter – Instituto Egon Schaden – São Bonifácio – SC

    Prof. Cleber Duarte Coelho – Depto. de Metodologia de Ensino – UFSC

    Prof. Ancelmo Schörner – UNICENTRO, Irati, Paraná

    Profa. Janaína Neves Maciel – UNIFACVEST, Lages-SC

    Prof. José Carlos Radin – UFFS, Campus Chapecó.

    Márcia Paraíso, Documentarista, Plural Filmes.

    Laura Correa, Teatróloga, Cia. Mútua, Itajaí.

    Guilherme Peixoto, Teatrólogo, Cia. Mútua, Itajaí.

    Manoel Inácio Camilo Carreira, Conselheiro Estadual de Cultura (gestão 2017-19)

    Profa. Alcimara Aparecida Foetsch, UNESPAR, União da Vitória.

    Profa. Fernanda Zanotti, Instituto Federal Catarinense, Campus Videira.

    Profa. Beatriz Gallotti Mamigonian, Depto. História, UFSC

    Profa. Vanessa Ludka, Geógrafa, Univers. Norte do Paraná.

    Profa. Diane Daniela Gemelli, UNESPAR, União da Vitória.

    Prof. Fabian Filatow, Canoas, RS.

    Prof. Silas Rafael Fonseca, UNESPAR, União da Vitória.

    Profa. Rita Inês Peixe, IFSC, Campus Itajaí.

    Prof. Gabriel Carvalho Kunrath, UFPEL, Pelotas, RS.

    Prof. Ricardo Eusébio Valentini, UFRGS, Porto Alegre;

    Prof. Emerson César de Campos, FAED\UDESC.

    Profa. Sônia Weidner Maluf, Antropóloga, UFSC\UFPB

    Prof. Emerson Souza, São Bento do Sul

    Profa. Natália Ferronato da Silva, UDESC, ProfHistória;

    Prof. Fábio Luiz Aguiar, São Bento do Sul.

    Lúcia Haygert, Antropóloga, Florianópolis.

    Profa. Géssica Pinto Rodrigues, mestranda UFFS, Chapecó.

    Profa. Maria Bernardete Ramos Flores, História, UFSC.

    Prof. Thyago Weingantner de Oliveira Ramos, Rio das Antas

    William Peres, Coord. Relações Externas IFSC, Campus Caçador

    Juciara Cordeiro, Assistente Social, IFSC, Videira

    Fátima Maria Ferreira Franz, Arquiteta e Urbanista, Joaçaba.

    Profa. Cristina Scheibe Wolff, Depto. História, UFSC.

    Prof. Luiz Antônio Laudelino Coelho, Educador Marcial, Fraiburgo.

    Prof. Gustavo Glodes Blum, Geógrafo, Curitiba.

    Profa. Suzane Faita, Lages.

    Profa. Maria Alice Hoss de Moraes, Florianópolis.

    Prof. Paulo Maurício Cavalheiro França, Caçador.

    Eduardo Schwartz Branco, Arquiteto e Urbanista, Lages.

    Prof. Arthur Luiz Peixer, Rio das Antas

    Profa. Karoline Fin, Fraiburgo.

    Prof. Matheus Giacomo de Luca, Florianópolis

    Ângela Zatta, Escritora, Videira.

    Padre Celso Carlos Puttkammer dos Santos, Fraiburgo

    Profa. Zilma Isabel Peixer, UFSC, Curitibanos.

    Prof. Jorge Luiz Gonçalves, Caçador

    Prof. Thiago Yaakov Moreira, Caçador\ União da Vitória

    Prof. Tiago Kramer de Oliveira, Depto. História, UFSC

    Engenheiro Gabriel da Costa Leite – Caçador

    Padre Reneu Zortea, São Miguel do Oeste.

    Profa. Mariana Joffily, Depto. História, UDESC

    Prof. Claudinei de Oliveira, Caçador\Matos Costa.

    Talita Cristina de Oliveira, Mestranda Filosofia, UFSC

    João Carlos Caetano, Cirurgião Dentista, Florianópolis

    Alexandre Fossatti, Empresário, Curitibanos

    Luciana Rossato, Depto. História, UDESC.

    Acad. Wesley Padilha, Pastoral da Juventude, IFSC São Miguel do Oeste

    Acad. Tayson Bedin, Pastoral Juventude, IFSC São Miguel do Oeste

    Acad. João Felipe Alves de Moraes, UDESC.

    Hilton Bley Polatti, aposentado, Joinville.

    Profa. Caroline Jaques Cubas, Depto. História, UDESC

    Prof. Fernando Vojniak, UFFS, Campus Chapecó

    Prof. Adriano Luiz Duarte, Depto. História, UFSC.

    Padre Márcio Martins Rosa, Trombudo do Contestado (Lebon Régis).

    Profa. Joana Célia dos Passos, CED, UFSC

    Prof. Ivan Carlos Serpa, IFC, Campus Camboriú.

    Profa. Marília Mezzomo Rodrigues, CCE, UFSC

    Profa. Márcia Ramos de Oliveira, Depto. História, UDESC

    Profa. Rose Elke Debiase, Museóloga, Un. Federal Sergipe.

    Profa. Maria Teresa Santos Cunha, UFSC\UDESC

    Prof. Rafael Pereira Simonetti, Rede Pública, Estado de São Paulo

    Profa. Ana Lúcia Vulfe Notzold, Depto. História, UFSC

    Juliana Dreher, Arquiteta, Florianópolis.

    Profa. Onete Silva Podeleski, Historiadora e Antropóloga

    Profa. Flávia Paula Darossi, Doutoranda em História, UFSC.

    Profa. Joseanne da Silveira Pinheiro, Florianópolis.

    Profa. Maria de Fátima Fontes Piazza, História, UFSC

    Ana Maria Bernardo de Souza, aposentada, Imbituba.

    Profa. Camila da Rosa, Educadora Social, Prefeitura de Florianópolis.

    Prof. Eduardo Perondi, Doutorando, UNAM, México.

    Profa. Elisa Schemes, Historiadora e Museóloga, IFSC, Campus Continente, Fpolis.

    Profa. Dariane Carlesso, Pedagoga, Guatambú – SC

    Profa. Kátila Stefanes, Rede Pública, Florianópolis

    Prof. Daniel Granada, UFSC, Curitibanos

    Profa. Aparecida Takigawa, Florianópolis

    Milton César Pozzo da Silva, Advogado, Curitibanos

    Profa. Carolina Wiik, Aposentada, Florianópolis

    Leny Maria Wagner Garcia, Enfermeira, Blumenau

    Prof. Tiago Rafael Marczal, Cruz Machado- PR

    Profa. Manoela de Leon Nóbrega Reses, UFSC, Curitibanos

    Jéssica da Silva Podeleski, Engenheira Agrônoma, Passo Fundo-RS

    Rodrigo Marcelino, Motorista, Curitibanos

    Clóvis Ricardo Montenegro de Lima, Pesquisador Titular, Min. Ciência e Tecnologia.

    Alisson Camargo, Arquiteto e Urbanista, Curitibanos

    Profa. Gilmara de Campos Ferreira, Florianópolis.

    Leonardo Teles Mendes, Eletricista, Curitibanos

    Irineu João Luiz e Silveira Júnior, mestrando em História, UDESC

    Prof. Paulo Krischke, Sociologia Política, UFSC

    Eloi Giovane Muchalovski, Mestre em História, Canoinhas

    Prof. Mário Steindel, Biólogo, UFSC

    Tânia Gollneck, Teatróloga, Navegantes.

    Janine Gomes da Silva, Depto. História, UFSC

    Prof. Roni Pereira, Videira.

    Profa. Marli Auras, Centro de Educação, UFSC

    Horácio Álvarez, Guia de Turismo, Florianópolis.

    Luciano Chinda Doarte, Coord. Grupo de Estudos e Pesquisas em Patrimônio Cultural, São José dos Pinhais, PR

    Profa. Thayse Fernanda Rosa, Florianópolis

    Prof. João Klug, Depto. de História, UFSC

    Geraldo Máximo de Oliveira, Consultor Ambiental, Doutorando FURB, Blumenau

    Prof. Waldomiro Lourenço da Silva Júnior, Depto. História, UFSC

    Marcelo Vieira, Músico e Historiador, Curitiba

    Patrícia Freitas Schemes Assumpção, Assistente Social, UFSC, Curitibanos

    Maria Célia di Bernardi Lopes, Produtora Cultural, Florianópolis

    Profa. Sueli Camargo, Lebon Régis.

    Profa, Adriana D’Agostini, EED/CED, UFSC

    Profa. Márcia Valério, Florianópolis.

    Eduardo Maurício dos Santos, Acadêmico em Direito, Curitibanos

    Bárbara Marins Pettres, Jornalista, Florianópolis

    Mirian Cardoso, Cirurgiã Dentista, Criciuma

    Renato Bradbury de Oliveira, Mestrando Literatura, UFSC.

    Luan Cenci, Técnico em Informática, Videira.

    José Francisco da Silva, Arquiteto e Urbanista, Florianópolis

    .

    Para Assinar: As entidades e indivíduos que quiserem subscrever este documento – que será encaminhado à diferentes autoridades municipais, estaduais e federais – poderão fazê-lo enviando mensagem para o e-mail centenariocontestado@gmail.com